Loreta, Carminda e Branca.
Fotografia, Letras e Medicina.
O Ensino Médio havia acabado, era hora de pensar no futuro.
Tinham passado por tantas coisas juntas…
A separação dos pais de Carminda.
A louca vida amorosa de Branca.
O sumiço da mãe de Loreta.
Loreta ia com o pai para o sul do país para poder estudar fotografia e treinar suas técnicas com neve.
Carminda continuaria em São Paulo, a cidade com mais histórias possíveis para serem escritas.
Branca iria fazer intercâmbio no Japão com seu atual namorado.
E nesse dia só conseguiam chorar.
Três amigas que se conheciam á muito tempo, que passaram a melhor e mais importante fase de suas vidas juntas, eram obrigadas a se separarem e talvez nunca mais se verem.
E assim foi, duas horas depois ela já não estava juntas…
8 anos se passaram.
Carminda tinha um namorido e havia escrito seu primeiro Best-seller e Branca era uma excelente pediatra e estava mais feliz do que nunca.
As duas estavam de malas prontas indo para Londres, visitar Loreta a mais incrível fotografa da Europa.
É… amizades verdadeiras duram para sempre sim!
Fafá :*

Esperando que talvez um príncipe podesse bater na minha porta e me convidar para dar uma volta no seu lindo cavalo branco. E seriamos felizes para sempre, juntos ou separados, apenas por termos nos conhecido e passado um tempo juntos.
Fafá :*

O amor

O que é o amor nas nossas vidas?
Somos frutos de um amor.
Quando pequenos aprendemos á amar nossos familiares e animais;
Com o crescimento, aprendemos a amar outras pessoas, primeiro amigos, depois pessoas que conhecemos e que mudaram nossas vidas.
Na adolescência temos amores não-vivos, como a dança, os livros, maquiagem, sapatos, etc.
Depois vem o amor pela profissão.
Amor por lugares diferentes.
E ai, de um amor, nasce outro fruto, que vai ter amores iguais e diferentes dos nossos.
Chego a conclusão que o amor não é nada na nossa vida, pois ele é a nossa vida.
E sem ele não vivemos.
Eu tenho amor por escrever e pela minha familia( a que recebi e a que escolhi).
E você, tem amor por o que/quem?
Fafá :*
Seus pais só brigavam e estavam se separando.
Seu namorado estava a trocando por outra mais velha e experiente.
Sua vó estava doente.
Sua irmã estava depressiva.
Era uma noite com muita chuva e seus pais brigavam novamente. Logo após da briga, seu pai foi descontar tudo nela, falando que ela não se importava com a vida ninguém a não ser com a dela.
Sua irmã voltou a chorar.
Quando entrou no computador haviam milhares de fotos de seu ex-namorado com a nova namorada.
Antônia olhou para a janela, abriu a porta.
Foi para o meio da rua e simplesmente abriu o seu guarda-chuva.
No meio de toda aquela escuridão, o objeto colorido sobressaltava e tentava alegrar.
Era assim que Antônia se sentia, um objeto colorido no meio de tanta escuridão e então decidiu que iria tentar alegrar o seu redor também.
Voltou para a casa, bloqueou o ex, enxugou as lágrimas da irmã, trocou a sua roupa e a levou para fora de casa um rádio e a irmã, ficando as duas dançando debaixo do alegre guarda-chuva, não se importando mais com toda a escuridão.
A vó de Antônia morreu, mas isso é a Lei da vida.
Os pais se divorciaram, e tudo ficou melhor, mais tranquilo.
Ficou tudo mais colorido.
Antônia sabia que sobre essas duas situações ela não poderia modificar nada e aceitou com dor, mas tranquilamente.
Fafá :*

História de filme

 
Thaina queria ir ao cinema, mas todo mundo que ela convidava tinha um motivo para não ir, então foi sozinha.
Logo que saiu uma chuva começou a cair, não muito forte, nem muito fina.
Ela pegou um táxi, chegou ao cinema, comprou o ingresso do filme nacional que estava passando. 
Entrou cedo na sala, sentou na última fileira e esperou.
O cinema começou a lotar, o filme começou e de repente um rapaz entrou correndo.
A única cadeira vazia estava ao lado de Thaina…
-Com licença, tem alguém sentado aqui?
-Não.
Thaina tentava ver o filme, mas o rapaz não tirava os olhos dela.
No meio do filme:
Ele:-Você tá gostando do filme?
-É… é que eu não estou conseguindo ver, pois você fica me encarando…
-Ah sim… Desculpe.
Ele:-Meu nome é Guilherme
-Thaina.
-Muito prazer.
-Thaina, posso te contar meu dia?
Já que Guilherme não estava deixando-a ver o filme, ela desistiu e começou a conversa com ele.
-Claro. Você já me fez perder metade do filme.
Sem ligar para última frase, ele continuou.
-Eu não ia sair de casa por causa da chuva e de repente um amigo, que não vejo há anos, me convidou para um café. Quando chegamos na frente do cinema o carro dele parou, chamamos o mecânico, ele foi com o carro e eu decidi ficar esperando aqui na frente do cinema. Não ia ver filme nenhum pois minha carteira havia ficado no carro, mas achei 5 reais no chão. Ia ver o filme de terror, comprei o ingresso, mas o filme deu problema e eles cancelaram todas as sessões do dia. Aí tive que trocar o ingresso para esse filme e entrei com o filme quase começando.E fim.
-História legal…
-Acredita em amor á primeira vista?
Thaina já cansada do Guilherme e arrependida de ter ido ao cinema-Não.
-E em destino?
-Também não. Olha, estou indo embora, pois você não está deixando eu ver o filme…
-Espera! Peço milhões de desculpas, mas é que essa não é a primeira vez que te vejo. Eu sonho com você toda noite e estava quase enlouquecendo achando que estava amando uma garota imaginária, mas algo me trouxe até aqui. Até você.
Thaina sentou-se.
-Isso tá parecendo história de filme…
-Nosso filme. Nisso eu sei que você acredita…
E como num final de filme, eles se beijaram, mas antes de tudo conversaram muito, agora com os dois lados interessados. Só que o resto das pessoas não gostou muito… Mas o que são os outros quando o amor está no ar?
Fafá:*

A fada

Era uma vez uma fada.
Seu nome era Lua.
Essa fada tinha um amor.
Esse amor a decepcionou.
De tristeza, ela voou até não poder mais.
Voou para fugir do que a estava atormentando.
Parou na via láctea.
Nesse lugar, decidiu iluminar os casais apaixonados.
Nesse lugar, decidiu criar histórias nas quais o amor dava certo, como nos seus sonhos.
E lá está a Lua, fazendo tudo o que queria.
Fafá :*

O pacto

Juliana e Gabriella tinham, respectivamente, sete e nove anos. Elas eram primas.
Sentaram-se na ponte, de forma com que conseguissem colocar seus pés na água, pois Gabi ia mudar-se de cidade e elas iam se despedir.
-Ju, vamos fazer um pacto. Nunca vamos machucar uma a outra…
-Gabi. E vamos colocar nossa amizade em primeiro lugar sempre.
-E daqui alguns anos vamos voltar nessa ponte e lembrar do pacto. Feito?
-Feito. E se uma desrespeitar as regras, a amizade acaba.
-Feito.
Deram um abraço de despedida e minutos depois Gabriella se foi.
Sete anos depois, quando Ju tinha quatorze e Gabi dezesseis, voltaram à ponte.
-E ai Ju? Como anda o coração?
-Está na mesma. Gostando daquele mesmo garoto, o Rafael da casa verde com portão roxo.
Gabriella levantou o rosto, fechou os olhos e deixou o vento bater em seu rosto, e com uma tranquilidade disse:-Ah, eu fiquei com ele naquela festinha que teve na rua anteontem.
Os olhos de Juliana começaram a ficar marejados.
-Você sabia que eu estava gostando dele há muito tempo.
-Mas ele nem era tão importante para você mesmo e lembra daquele pacto que fizemos no qual você disse,”E vamos colocar nossa amizade em primeiro lugar sempre”?
Ju enxugou as lágrimas.-Lembro… Vem cá que eu preciso te dar um abraço.
-Sabia, Ju, que você ia me perdoar, pois é a melhor prima do mundo.
Se abraçaram bem forte.
-Nossa Ju! O último abraço que você me deu assim foi no dia que eu fui embora da cidade, há sete anos atrás.
-É…esse é um abraço de despedida- E Ju se levantou e saiu andando
-Despedida? Mas você não tinha me perdoado?
-É que eu lembrei que no mesmo pacto você disse, “Nunca vamos machucar uma a outra”…
 Fafá :*