Eu te desvendei, eu sei. Tenho essa sensibilidade que dá medo nos outros. Conheço as pessoas fácil demais e, por isso, também as perco fácil demais. Ninguém gosta de ser desvendado profundamente.
Suas mentiras não são do tipo que amedrontam. Você deve estar escondendo alguma coisa. Mas, eu não ligo, já provou que é uma pessoa muito legal.
Não tenha vergonha de ser quem você é. Nem tenha medo de descobrirem você. É especial e interessante sendo somente verdadeiro.
Fafá ;*

Resenha: Qual seu número?

Primeiro, quero começar a agradecer a minha professora por ter inventado o clube do livro na minha escola, assim vou poder ler mais sem gastar nada.
Ela que me emprestou esse livro. Li em quatro dias.
Delilah é uma mulher de quase trinta anos, desempregada, que percebe que já transou com homens demais e decide estipular  que só terá 20 “parceiros sexuais” em toda sua vida, só que ela já teve 19 e acaba transando com o seu ex-chefe enquanto estava bêbada…
Além disso, sua irmã mais nova está prestes a se casar; sua mãe acha que ela é uma perdedora ou lésbica;  seu avô re-encontrou um caso antigo e foi morar em Las Vegas; e um antigo namorado dela virou padre.
A solução que ela encontra é fazer uma lista e ir atrás dos seus vinte tentando voltar com eles. E aí entra o vizinho irlandês gostosão que é “detetive particular” (e tem problema de não conseguir se apaixonar) que a ajuda.
É extremamente divertido, os ex-“namorados” dela são uns desastres, ela só se mete em confusão até encontrar o seu verdeiro caminho e ver que o fato de ter transado com muitos homens não a torna uma vadia.
Aqui vão alguma citações que minha professora grifou no livro e são as mesmas que eu grifaria:
“Talvez seja loucura estabelecer um limite, mas chega um momento na vida que uma gota d’água vai fazer o copo transbordar.”
“… o que separa o bom do ótimo é a capacidade de agir.”
BoaLeitura

É domingo. E eu decidi assistir um filme triste que me faça chorar.
É, em alguns dias só isso me faz bem.
Escolhi Now Is Good e chorei muito do inicio ao fim. E me fez refletir demais.
O amor é algo que pode machucar e pode curar. Ele se contradiz.
Eu sinto falta de ter alguém com quem eu sei que eu possa contar sempre, independente de qualquer coisa.
Eu sinto saudade de algo que ainda não tive. Sinto falta de um namoro de verdade, de um menino que se importasse de verdade comigo.
Eu sinto falta de saber quem eu sou.
Devemos aproveitar cada dia como se fosse mais uma oportunidade que Deus nos deu para sermos felizes e viver.
Eu quero aventuras.
Esse post é composto por várias frases que não se ligam, mas quem têm uma ligação. São só simples pensamentos meus.
Fabi ;*