Séries para amar – Awkward

A série tem quase 5 anos, 5 temporadas e é raro eu conhecer alguém que a conheça. Já eu, me identifiquei desde o primeiro episódio.

Sabe quando você é uma adolescente qualquer no ensino médio, que apenas está lá sem se destacar e de repente algo acontece e te coloca no centro das atenções? Isso é o que ocorre com Jenna Hammilton, a nossa protagonista normal que após um acidente vira alvo de um rumor que dizia que ela tentou suicídio e a partir daí ela tem que aprender a lidar com a atenção (ruim), seu caso secreto com o menino mais popular da escola, uma complicada relação com a sua mãe, suas amigas, uma “arqui-inimiga” e todas essas coisas clichês de produto audiovisual juvenil. Porém, não parece ser clichê, pois as soluções são novas, divertidas e REAIS!

Como o mundo adolescente é uma mudança, ela, a partir de um ponto, não é mais o centro das atenções, a arqui-inimiga não é tão má assim e também tem seus problemas, assim como o garoto popular e as amigas.

Sua última temporada já está sendo exibida pela MTV dos EUA e esta semana começa a ser exibida pelo mesmo canal no Brasil, mas na internet dá pra assistir todos os episódios online. Cada episódio só possui 25 minutos, então é ótima para uma tarde de tédio.

Fafá ;*

Anúncios

Resenha – Um Ano Inesquecível

Um Ano Inesquecível é escrito por quatro autoras (que nasceram em cidades diferentes) sobre amores (que também nasceram em quatro cidades diferentes).

Achei a Mabel, protagonista do conto da Paula, meio mimada demais, mas o mocinho, Benjamin, como todos os outros mocinhos da Paula, fala as coisas certas no tempo certo e nos faz apaixonar por ele. O conto é uma gracinha, realmente me lembra o Chile, e, mesmo a Mabel tendo 14 anos, eu consegui me identificar, porque a autora sempre faz suas protagonistas um pouco mais maduras do que as suas idades.

Foi uma ótima surpresa conhecer a escrita da Babi! Que conto mais gostosinho! Real, simples, uma fofura diferente de outras histórias que eu já li. O conto da Babi ganhou como o melhor na minha opinião, me surpreendeu de verdade e me fez ficar com vontade de ler os livros dela. Muito bom mesmo! Ele fala de conhecer coisas novas, se descobrir e tem uma ligação sutil com a música.

A Bruna escreveu uma história leve e moderna com aspectos juvenis que ela sempre trata muito bem e inspira as pessoas. Adorei o fato dela ter usado uma personagem com cabelos cacheados E COLORIDOS, que não é algo muito comum ainda, mas irá lançar uma tendência nova, é só esperar. 😉

Já o conto da Thalita é a folia em pessoa, muito alegre, colorido, cheio de gírias e os comentários que ela adora fazer e são sua marca registrada! Ela acaba fazendo com que tanto você quanto ela virem personagens da história também, criando um clima super dinâmico.

Ganhei da minha mãe e li em uma semana, enrolando para não acabar rápido demais.Todas as quatro conseguiram transmitir muito bem a estação que lhe foi dada e relacionar com a adolescência, fazendo contos muito gostosos de serem lidos. 🙂

Fafá ;*

Novos começos – A inspiração vem da novidade

O título pode ser clichê. O assunto também. Mas, quem é que nunca passou por isso?

Não é uma reviravolta na minha vida, são só pequenas mudanças que farão com que, aos poucos, minha vida mude.

É um pouco difícil para mim, nova faculdade, novo curso, novos amigos!

Hoje, depois de um bom tempo sem escrever, parei e deixei fluir. E agora, depois de cinco anos de blog, descobri o que me inspira. O que me inspira é o novo.

Semana passada eu li um novo livro, resenhei.

Hoje ouvi uma música que eu nunca havia escutado de uma banda que até então eu desconhecia, fiz poesia.

Ontem conheci alguém novo que me contou coisas novas, textualizei.

No mês passado comecei um novo curso em um lugar novo com pessoas novas que hoje já ganharam espaço no meu coração. E aí eu me inspirei! Termino esse texto um mês depois de ter começado, pois a inspiração as vezes vem, sai correndo e só depois de um tempo volta a dar as caras. Mas ela sempre vem, porque coisas novas sempre acontecem…

Fafá ;*

A poesia em seu rosto

Há uma poesia no rosto de cada um, ela é contada através das formas e das cores existentes nessa face. Marcas são memórias.

Ele disse que adorou meu cabelo cacheado e meus olhos cor de laranja. Imagina só! Uma pessoa com olhos laranja? Mas, ele disse “Adorei seus olhos, eles são tão lindos com esse tom alaranjado”.

Já eu, adorei as sardas salpicadas levemente naquele rosto de traços delicados, o nariz pequeno e aquele sorriso quente e aconchegante como uma tarde embaixo das cobertas comendo pipoca e vendo um filme em uma tarde fria. E quando ele morde o canto da boca, desarma até o maior exército de todos.

Ela diz que não achou nada de bom naquele com quem encontrou, mas ela esqueceu de ver as linhas retas de seu nariz e as histórias de cada uma das marcas naquela face branca como a neve combinada com seus olhos cor de céu quase emitindo luz. Mas, ele, viu graça em seus longos e lisos cabelos escuros que os enrolavam durante os beijos e seus dentes nada perfeitos que a tornava especial, diferente de todas as outras.

Então, se eu consigo ver a poesia em seu rosto, porque você também não conseguiria?

Pare.

Olhe.

Observe você.

Observe os outros.

Sinta as texturas.

Se deixe levar pela beleza de cada detalhe.

Transforme os defeitos em apenas características e as faça especial.

E faça uma poesia.

Fafá ;*

Cenas – 24

Ela estava de roupão de bolinhas e esperava para usar o banheiro.

O quarto dele era em frente ao banheiro, então ele conseguia vê-la dançando enquanto esperava para usar o banheiro, os fones no ouvido e o celular no bolso. Ele parecia estar hipnotizado pela balanço dela ao som do CD da Tove Lo e chegava a nem piscar. Foi aí que ela abriu os olhos e acabou descobrindo que era vigiada por aqueles olhos cor de avelã.

Faziam semanas que o grupo estava se preparando para aquela viagem no meio do mês de julho para Campos do Jordão e ela estava extremamente feliz em estar ali, fazendo a sua primeira viagem com os amigos e pagando com o seu próprio dinheiro. Suas amigas insistiram que algo aconteceria entre ela e aquele menino de cabelos negros e enrolados, mas não acreditou, pois, elas sempre estavam tentando juntá-la com alguém. Porém, quando o viu ali, com os olhos arregalados por ter sido pego em flagrante, percebeu que suas amigas estavam certas dessa vez…

A porta do banheiro se abriu, um cara loiro saiu, ela entrou e a porta fechou.

Ele, envergonhado, logo deitou, virado para a parede e se cobriu. Odiava ter ficado sozinho mas, chegou tarde na casa, todos os quartos compartilhados já estavam ocupados e ele teve que ficar com o único que só tinha uma cama, de casal, pra ajudá-lo ainda mais a sentir-se sozinho. Mal percebeu que uma menina de cabelos armados estava parada de roupão, bem na porta dele, colocando novamente os fones no ouvido se preparando para cantarolar.

“Everyday people do/Everyday things but I/Can’t be one of them/I know you hear me now/We are a different kind/We can do anything”

(Todos os dias pessoas fazem/Coisas cotidianas, mas eu/Não posso ser uma delas/Sei que você me ouve agora/Somos de uma espécie diferente/Podemos fazer qualquer coisa)

Ele vira-se em direção a porta, ela sorri e continua.

“We could be heroes/We could be heroes/Me and you…”

(Podemos ser heróis/Podemos ser heróis/Eu e você…)

Volta a dançar, dá o sinal e ele começa a acompanhá-la como um dueto.

“We could be heroes/We could be heroes/Me and you/We could be…”

(Podemos ser heróis/Podemos ser heróis/Eu e você/Podemos ser…)

Nesse momento, ela já está sentada do outro lado da cama de casal e os dois riem da situação. Viraram a noite assim, um ao lado do outro, sem dormir, só conversando, acabando com a solidão e tornando essa a melhor viagem possível.

Fafá :*