Toda Luz que Não Podemos Ver – Resenha

toda-luz1

Sabe aqueles livros que você, depois de ler, passa dias, até semanas, pensando sobre? Esse é um.

Ele acompanha histórias que se passam durante a Segunda Guerra Mundial, intercalando anos, tendo uma narrativa não-linear. Mas, principalmente, fala de uma menina cega francesa e um menino alemão.

Prepare a caixa de lencinhos, pois esse livro é triste! Tanto quanto, se não mais do que a Menina de Roubava Livros. Por isso, e por ser um livro grande, demorei mais de um mês para lê-lo por inteiro e só consegui por causa de uma longa viagem de carro.

Prepare-se, também, para conhecer personagens interessantes, com história e carisma, e vê-los partir sem despedida. É duro imaginar o quanto as pessoas sofreram naquela época e a quantidade de maldade que ainda pode existir no mundo.

Recomendo, com certeza, este livro, que te prende e te angustia.

BoaLeitura

Anúncios

Obrigada por existir

As vezes nós esquecemos de agradecer as pessoas por estarem em nossas vidas. Não sei se é porquê não paramos para pensar o quanto elas são importantes, ou se sabemos e só nós embolamos na velocidade em que corre nosso tempo. Mas, isso é um absurdo! Um absurdo cometido por nós mesmos, dia-a-dia.

Sei que se falássemos constantemente talvez fique banalizado e perca o peso que têm, só que realmente acredito que as pessoas têm o direito de saber, pelo menos sentir, semana a semana que elas são parte importante de você. E há sim necessidade de verbalizar essa importância. Palavras são tão bonitas, por que não dizer um eu te amo? Ou um obrigada por ser quem você é?

Pois, um dia, as pessoas se vão, mas deixam contigo tudo o que já fizeram e você percebe que talvez elas não levaram o que não teve tempo para falar.

Fafá ;*

Eu não mordo.

Eu não forço.

Eu não insisto.

Eu só queria ser eu.

Eu só seria sua amiga.

Mas você não me deixou explicar.

Não deixou que as coisas acontecessem.

Não me deixou ser sua amiga.

Não iria te deixar desanimar.

Eu desanimei.

Então, eu fui.

Pra nunca mais voltar para a sua vida.

Se eu não posso ser a sua amiga, não quero ser mais nada.

Você errou.

Ou talvez, o erro tenha sido meu.

Mas, ambos perdemos.

Tchau.

Vou procurar alguém que não julgue antes de qualquer coisa.

Fafá :*

 

O rasgo da calça

Vesti minha calça e, na hora em que agachei para pegar algo do chão, ela rasgou. No joelho! O barulho do tecido rasgando foi o mesmo do meu coração que adora tanto aquela calça. Então, decidi tentar igualar os cortes em ambas as calças. Ficou estranho. Tentei cortar mais e acabei fazendo um quadrado. Mas, foi quando lixei que estraguei de vez a calça.

Aquele rasgo me fez perceber que talvez seja a hora dela não ser mais minha. Mas, por que nós temos mania de tentar consertar algo que não precisa? Por que insistimos em algo velho, sem graça e sem utilidade se podemos doar à alguém que podia fazer bom proveito?

Isso não se aplica somente a coisas materiais, é claro, eu não estaria escrevendo sobre uma calça. Qual é o motivo de insistirmos em relacionamentos que não acrescentam mais nada às nossas vidas?  Qual é o motivo de não querermos que pessoas que estão nos fazendo mal vão embora? Talvez seja o conforto, talvez o costume. Só que sabe, mudanças são boas. Às vezes é válido ter as nossas vidas viradas de cabeça para baixo, para, só assim, conseguirmos enxergar de cabeça para baixo também.

Peguei aquela calça, fiz um shorts (pois, para doar, é melhor que seja em boas condições) e deixei ir. Tomara que faça outra pessoa feliz, alguém que esteja precisando mais daquela calça/shorts do que eu, alguém que estava precisando daquela pessoa mais do que eu precisava dela na minha vida.

Fafá :*

Antes de entrar, deixe sair.

Não conheço a sua história com ela. Se formos parar para pensar, nem te conheço muito bem. Mas, finjo que sei. Finjo que sei o que está sentindo, que sei qual é a sua dor. Finjo que as dores que senti são as mesmas que está sentindo. Imagino que o que já passei seja a mesma coisa que está passando.

É só assim que eu me coloco no seu lugar, tento ajudar e consigo concluir que você terá que deixar ir. Ela. Os sentimentos. As dores. As lembranças. As dúvidas. O que te incomoda. O que te perturba. Tudo deverá te deixar e só assim algo novo, como a felicidade, poderá chegar. Antes de entrar, deixe sair. É só quando tudo isso for embora que coisas novas e boas poderão te encontrar e fazer parte da sua vida.

Como disse antes para ti, acredito que temos uma quantidade certa de pessoas que podem viver conosco, então, para umas entrarem, outras precisam partir. Todas as pessoas que conhecemos nos ensinam alguma coisa, só que a maioria tem que sair das nossas vidas, mesmo que estas sejam alguém a quem nos apegamos muitos. Se uma pessoa está te incomodando, ela precisa ir, pois, não tem mais um local na sua vida e, por mais que doa, um dia vai parar e você vai perceber que apareceu alguém que fará tudo cicatrizar.

Fafá :*

 

 

Chuva

large

Eu não gostava de chuva, ela estragava meu Sol. E, para mim, que sempre durmo só em silêncio absoluto, o som me irritava.

Hoje, ela me lembra o mar. Seu som passou a me acalmar e quero senti-la geladinha em minha pele. Consigo ver sua beleza, gota por gota, criando uma cortina que separa o aqui do ali.

Eu não gostava de você. Mas, agora, talvez você seja a minha chuva, caindo gota por gota, descendo da garganta ao coração, inundando meu peito.

Ainda não danço contigo. Ainda não beijo sob ti. Porém, me acalma e me faz flutuar.

Como uma onda no mar.

Como a chuva que está caindo.

Fafá ;*